20 C
Brasília
sexta-feira, 16 abril, 2021

Alegria e esperança para celebrar a vida no Hospital de Base


Festinha de aniversário improvisada, com direito a bolo e parabéns, animou quatro pacientes que lutam contra o câncer
Quatro aniversariantes, uma só celebração. Foi assim a quinta-feira (11) na Oncologia Clínica do Hospital de Base, quando pacientes em tratamento de câncer participaram de uma improvisada festinha de aniversário, que contou com bolo, balões e parabéns. Tudo para resgatar a esperança, levar a alegria e amenizar a dor de quem luta diariamente pela vida.
A festinha começou assim que Hercília Capilé terminou mais uma sessão de quimioterapia. Os profissionais que a atendiam a surpreenderam com um bolo de aniversário. Ela ficou emocionada e engrossou o coro do “Parabéns pra Você”. Festa merecida. Afinal, na quarta-feira (10) dona Hercília completou gloriosos 99 anos.
O clima animou outros pacientes e, logo, a homenagem se estendeu para mais três: Lusitânia Mariano, que estava completando 48 anos ontem mesmo; Jesus Gonçalves da Silva, que fez 71 anos no mesmo dia de dona Hercília; e Maria do Carmo Duarte, que celebrou 72 anos há 17 dias.
“No final, todo mundo comeu bolo, mas com autorização médica”, riu a supervisora de Enfermagem, Luciana Risso, organizadora da festinha que contou com dez profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Todos os protocolos de proteção contra o coronavírus foram seguidos pela equipe e pelos pacientes.
Lucidez e alegria
Aos 99 anos e com um câncer de mama, Hercília dribla a idade e a doença. Lúcida, irradia alegria. Cantou parabéns, bateu palmas, distribuiu sorrisos. “Ela ficou muito animada com toda essa festança”, atestou Betânia Capilé, sobrinha da paciente e que há cinco meses acompanha o tratamento da tia. “A expectativa agora é que ela comemore os 100 anos já curada do câncer.”
Betânia contou que a tia aprova o tratamento e a dedicação dos profissionais da Oncologia do Hospital de Base, que é administrado pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF). “Ela sempre elogia a equipe, dizendo que são muito carinhosos”, relatou a sobrinha, que gravou a festinha no celular e compartilhou as imagens em rede social.
Carinho que faz a diferença
A homenagem a Hercília também contagiou o cearense Jesus Gonçalves da Silva, que há três anos faz tratamento contra câncer no fígado e nos pulmões no Hospital de Base. A filha Clélia Gonçalves diz que perdeu as contas de quantas sessões de quimioterapia o pai dela já fez. “Mas é graças a essas sessões que meu pai está melhorando e respondendo bem ao tratamento”, garantiu.
Quando chegou ao hospital, com 68 anos, Silva estava totalmente debilitado. Três anos depois, parece outra pessoa. “Meu pai estava muito fragilizado e magro, pesando 45 quilos”, relembrou Clélia. “Hoje, está com 53 quilos e animado para comemorar muitos aniversários pela frente.”
Para Clélia, ações como essa ajudam o paciente a enfrentar o duro tratamento contra o câncer e a suportar o isolamento social por causa da pandemia do coronavírus. “Essa festinha é um carinho que, com certeza, faz a diferença”, avaliou.
Agradecimento e retribuição
Pegando carona na festinha improvisada de dona Hercília estava a também cearense Maria do Carmo Venâncio Duarte. “Fiquei muito emocionada e feliz”, relatou, ao revelar que fez 72 anos em fevereiro. A filha Camila Duarte também se emocionou e agradeceu. “Essa fase tem sido difícil para ela. São muitas emoções e sentimentos envolvidos. Então, qualquer demonstração de afeto faz a diferença”, afirmou.
A “mulher corajosa”, como descreve a filha, vai todos os dias para o HB tratar um câncer no intestino, com metástase no fígado. O diagnóstico veio um mês depois de perder uma filha de 42 anos para o mesmo tipo de câncer. “Isso torna a dor, o enfrentamento da doença ainda mais difícil”, disse Camila. “Mas ela é uma guerreira, e a família está sempre a ajudando a lidar com os sentimentos.”
Maria do Carmo procura retribuir, à sua maneira, o tratamento, a dedicação e o carinho que recebe dos profissionais do Hospital de Base. Todos os dias, ela distribui bombons e lanches para o pessoal da Oncologia. E agradece a cada um deles pela ajuda que vem recebendo nessa luta contra o câncer.
Despedida de Brasília
Mesmo sem contar que seu aniversário caía no dia da homenagem, Lusitânia Mariano, 48 anos, ganhou os aplausos da equipe médica, que descobriu a data durante a celebração. Em tratamento há um ano e meio para curar um câncer de mama, a festa também coincidiu com o último dia da paciente no hospital. “Vou me mudar para Santa Catarina e continuar o tratamento lá”, contou.

Do Hospital de Base vão ficar lembranças boas. “Fui muito bem tratada por todos. O constante carinho só ajuda na nossa recuperação”, garantiu a dona de casa. Depois de oito sessões de quimioterapia, ela se sente melhor. “Vou sair de Brasília com a saúde boa e me recuperar logo.”

 
Texto: Ascom Iges-DF
Fotos e vídeos: Divulgação

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas notícias