Lava Jato: PF investiga propina de US$ 31 milhões à Petrobrás


PF deflagra a 57ª fase da Operação Lava Jato. Desta vez, o esquema é ligado à trading da Petrobras

Mais uma pra conta da Petrobrás: deflagrada hoje pela PF, o esquema milionário investiga o pagamento de 31 milhões de dólares em propina. Os valores, segundo a investigação, seriam pagos a operadores e funcionários da Empresa Pública entre os anos de 2009 a 2014.

Conforme apuração do Ministério Público Federal (MPF) os valores foram desembolsados por “grandes empresas do mercado de petróleo e derivados – conhecidas como tradings”, isto é, compra e venda.
Das empresas suspeitas na operação estão  a Vitol, Trafigura e Glencore. Ainda segundo as investigações, entre os anos de 2011 e 2014, as empresas citadas repassaram cerca de  US$ 5,1 milhões, US$ 6,1 milhões e US$ 4,1 milhões, relacionadas a mais de 160 operações de compra e venda de derivados de petróleo e aluguel de tanques para estocagem.

Segundo o MPF:

“As provas apontam que havia um esquema em que empresas investigadas pagavam propina a funcionários da Petrobras para obter facilidades, conseguir preços mais vantajosos e realizar contratos com maior frequência”, MPF sobre a 57ª fase da Lava Jato.

As companhias de trade investigadas na opração da PF comercializam produtos da Petrobrás no mercado internaciol. Ainda segundo o MP Federal “Somente a Trafigura, entre 2004 e 2015, realizou cerca de 966 operações comerciais com a Petrobras, as quais totalizaram o valor de aproximado de US$ 8,7 bilhões”.

A PF hoje 11 mandados de prisão e mais 26 de busca e apreensão no RJ deste a manhã desta quarta-feira. A assessoria de imprensa da Petrobrás, no entanto, não retornou nossas ligações para explicar sobre o caso.

Texto: Lucas Daniel Tomáz de Aquino.

Anterior Governo assina MP e Entorno do DF vira Região Metropolitana
Próximo Após pedido de vista, TSE adia análise de recurso do PTB-DF